T U T O R A : )

carregando...

Por Ingrid Biasioli

Conhecer que há diferença entre os termos mentoria e coaching de carreira é o primeiro passo para que você possa fazer a melhor escolha a partir do seu objetivo. Vamos alavancar a sua carreira profissional?

Muito se fala sobre mentoring e coaching de carreira, porém poucos sabem que existe diferença entre ambos. Apesar dos termos serem utilizados para discutir jornadas e ações para se alcançar um objetivo – no caso relacionado a carreira – eles possuem propósitos diferentes, mas são complementares um ao outro. 

Quando falamos sobre mentoring, estamos nos referindo a um profissional que possui experiência em sua área de atuação, que poderá passar para o seu mentorado ensinamentos que obteve em seu cotidiano profissional, assim como aprendizados, sejam eles em relação a desafios, conquistas, mudanças na carreira e outros. 

Entenda melhor a mentoria

O mentor terá sentido “na pele” o que o mentorado está passando naquele momento, que acaba por gerar valor na vida daquele profissional que está com problemas relacionados a aquele contexto em específico – e o provocará para que ultrapasse os obstáculos que o foram impostos naquele determinado período. 

Os benefícios da mentoria são inúmeros, entre eles retenção de conhecimento, networking, aumento de produtividade, auxílio no processo de  concretização de ideias e maior visão de negócio – ou seja, pontos que alavancam a carreira dos indivíduos.

A mentoria não possui um período determinado para acabar, já que pode ser necessário em diferentes situações e momentos da carreira de um profissional. É de extrema importância ter ciência do currículo do profissional que dará a mentoria, já que ele deverá estar de acordo com as expectativas relacionadas a carreira para que as questões sejam respondidas com sucesso.

Agora sobre coaching de carreira

Já quando nos referimos a coaching de carreira, estamos diante de um treinador, como diz a própria palavra “coach” em inglês – ele não possui necessariamente experiência no ramo em que o profissional atua, porém possui os conhecimentos e metodologias necessárias para auxiliar o mesmo da melhor maneira possível, ou seja, ele irá ajudar no processo de raciocínio dessa trajetória. 

Esse profissional tem como objetivo auxiliar tanto o perfil profissional do indivíduo, quanto o pessoal, na jornada de autoconhecimento e da evolução contínua – portanto ele auxilia no processo de tomada de decisão. 

As sessões, que são pré-estabelecidas no primeiro contato, delineiam metas e mudanças de hábitos que o indivíduo deverá cumprir para se superar ao longo do tempo, que o ajudaram durante toda a jornada que passará durante sua vida. 

Quadro comparativo


Coaching de carreira:

– Faz com que quem o procurou reflita sobre seus objetivos;

– Ajuda o indivíduo a ter novos insights para sua vida e carreira;

– Faz uso de metodologias, técnicas e ferramentas do Coaching voltados para o autoconhecimento e compreensão da necessidade da evolução contínua;

– Ajuda no processo de raciocínio;

– Há um tempo determinado de sessões.

Mentoring:

– Utiliza da sua bagagem profissional e conhecimento para instruir e auxiliar o indivíduo na sua carreira;

– Ajuda o profissional a compreender suas questões ligadas diretamente a carreira, sem cunho pessoal;

– Provoca e desafia o profissional para que seja capaz de ultrapassar o obstáculo; 

– Torna-se uma referência profissional para o mentorado;

– Não existe um tempo determinado para que a mentoria termine.

Na prática

Em matéria (https://exame.abril.com.br/carreira/entenda-de-vez-o-que-um-mentor-pode-fazer-pela-sua-carreira/) da revista EXAME, escrita pela jornalista Claudia Gasparini no ano de 2017, ela cita um exemplo bem prático sobre o tema, como você poderá ver abaixo:

“No livro “Mentoria: Elevando a maturidade e desempenho dos jovens” (Integrare Editora, 2015), o escritor e consultor Sidnei Oliveira explica a distinção entre as diversas fases do desenvolvimento humano, e as três figuras principais que podem guiá-lo.

O professor é o primeiro desses personagens: ele orienta o início da vida de qualquer pessoa, por meio de explicações objetivas. “Um dia, quando você era criança, alguém disse que era preciso olhar para os dois lados ao atravessar uma rua”, diz Oliveira. “Essa pessoa agiu como professora, porque transferiu conhecimentos e deu instruções para uma determinada ação”.

Já o coach ou treinador aparece na hora de colocar a teoria em prática. No exemplo mencionado, ele pegará na sua mão para atravessar a rua com você. Ele vai relembrar as instruções e acompanhar o seu desenvolvimento naquela determinada competência, isto é, andar ao seu lado.

O mentor aparece num terceiro momento. Seu papel é ser um provocador. “Ele vai atravessar a rua, olhar para trás e dizer para você: ‘Vem? Se eu consegui, você também consegue’”, diz Oliveira. “O propósito não é mais transmitir informações e nem treinar competências, mas estimular a autonomia, isto é, fazer com que a pessoa atravesse a rua sozinha”.

As três figuras são complementares e não é raro que se fundam em um mesmo indivíduo, às vezes. Mas o grande diferencial do mentor está no fato de ele funcionar como uma referência para você — uma pessoa que você lembrará, para sempre, como alguém que mudou a sua vida profissional.”

Ambas as jornadas são de extrema importância e são complementares, ou seja, são de grande valor para o profissional que busca se autoconhecer, delinear os seus objetivos e ultrapassar as barreiras que encontra ao longo de sua carreira.

Durante esse processo de busca de ambos os profissionais, é preciso se atentar as suas experiências e campos de atuação, para que não acabe por escolher um mentor ou um coaching de carreira que não seja capaz de responder a questões simples que o indivíduo possui.

Artigos relacionados

Posts recentes